quinta-feira, 26 de julho de 2012

Vale do Itajaí vai receber 90 novos policiais civis


Vinte e seis policiais ficarão na regional de Blumenau

As regionais de Blumenau, Joinville e Palhoça são as que mais receberão policiais da Academia da Polícia Civil até o fim do ano em Santa Catarina. A primeira formatura está marcada para a próxima terça-feira, quando 327 novos servidores, entre delegados, agentes, escrivães e psicólogos receberão a carteira funcional e a arma, ficando habilitados para o trabalho. A Secretaria de Segurança Pública (SSP), porém, não especificou em quais cidades os agentes atuarão. 

>> Veja a distribuição dos novos policiais por regionais >>
O mapa da distribuição a que o Santa teve acesso quarta-feira revela o destino de 426 novos policiais civis nas regionais de polícia do Estado. São 291 agentes, 84 escrivães, 28 psicólogos e 23 delegados. A região de Blumenau garantiu 26 policiais, a maior cota entre as delegacias. 

De acordo com a SSP, além dos 327 policiais que terminam o curso terça-feira, outros 94 da segunda turma serão formados e nomeados em outubro. As cotas são por diretorias: Grande Florianópolis, Litoral e Interior. Também há uma reserva para a Delegacia Geral, que poderá remanejar os policiais para a Capital ou interior, dependendo da necessidade. 

Depois de Blumenau, em segundo no ranking aparece a regional de Joinville, que levará 25 policiais. A terceira é a regional de Palhoça, para onde irão 24 policiais. 

Santa tentou contato quarta-feira com o delegado regional Rodrigo Marchetti para verificar como será a distribuição dos agentes pelo Médio Vale. Ele não atendeu às ligações da reportagem. A assessoria da SSP também não soube informar qual será o destino dos agentes nas cidades da região. 

Os 27 novos psicólogos formados na nova turma irão para delegacias de atendimento à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso. 

— Eventualmente, algum pequeno ajuste poderá se dar até segunda-feira — disse o delegado-geral adjunto, Valério Alves de Brito. 

Mesmo com reforço, polícia ficará com apenas 62% do quadro ideal
Para fazer a distribuição, a cúpula da Polícia Civil afirma ter utilizado critérios técnicos, como a demanda de procedimentos e efetivo policial. A forma não é um consenso entre delegados, principalmente na Capital. Em entrevista no dia 20 de junho, o delegado-geral Aldo Pinheiro D’Ávila declarou que seria justamente na Capital onde havia o maior problema de produtividade dos delegados em relação ao número de inquéritos. 

Os 426 policiais darão fôlego a algumas delegacias, mas o histórico déficit de efetivo na instituição ainda está longe do ideal. Com a inclusão, a Polícia Civil ficará com 62% do quadro considerado ideal. Hoje, são cerca de 3,2 mil policiais em todo o Estado. Conforme a SSP, deveriam ser 5.997.
Fonte JORNAL DE SANTA CATARINA